f Adeus, verde.: Para a saudade

28 de ago de 2014

Para a saudade

Acabei de desligar o Skype, encerrar a ligação que fiz com minha amiga Marcela, minha mãe e minha irmã, sem contar o meu afilhado que ainda está dentro da barriga da mana, crescendo e se preparando para embarcar nessa família. Consegui através da tela estar mais perto delas, "participar" de um jantar. Jantar esse que acontece muito longe daqui, inclusive com uma hora de diferença entre nós.

Vejo pelo computador a nossa sala, nosso sofá, até a porta do meu quarto, coisas tão comuns a mim, mas que agora, daqui, se tornam distantes. Observo com atenção a minha mãe se mexer, gesticular, também fico atento a minha irmã, que sorri, fala comigo, e acaricia a barriga, acaricia o meu afilhado. A marcela está lá, com a mesma risada estrondosa, que chama atenção e enche o ambiente de amor.

Enxergo daqui do meu quarto de hotel, as três agasalhadas, com frio, e eu aqui de manga curta e ar condicionado ligado. Enfim, diferenças geradas pela distância. A única coisa que não muda é o amor, e junto com ele a saudade, que apertou meu peito assim que cliquei em "finalizar chamada". 

Nossa, que coisa mais doída que é isso. Eu achei que já havia sentido saudade, na verdade acredito que já tenha sentido sim, mas não com essa intensidade.

Existem tantos tipos de saudade, aquela de pessoas que já faleceram e que não veremos mais, ou daquelas que estão vivas, mas, que também não veremos. Ou simplesmente essa saudade, a que dependemos do tempo para estar perto.

Confesso que irei dormir hoje com o coração um pouquinho mais apertado. É incrível ver elas, mas é impossível não querer um abraço apertado, um carinho de mãe, o beijo da minha irmã e aquele colo de amiga. Concluo o texto cheio de lágrimas nos olhos, mas consciente, que só se sente saudade de quem é realmente importante e crucial nas nossas vidas. 

Amo vocês.


3 comentários:

  1. E bem assim como vc descreveu, a tecnologia acalmando os corações, mas intensificando as vontades. Vontade de abraço de beijo de colo. estamos aqui contando os dias, as horas, fazendo x no calendário. Te amo filho.

    ResponderExcluir
  2. Carioca sem sotaque29 de agosto de 2014 19:29

    Após uma breve conversa, fui dar uma olhada em seu Face e por lá encontrei o link para este blog e me perdi em suas postagens.Para minha surpresa então, pude conhecer um Felipe com uma história de vida incrível, uma enorme vontade de viver e ser feliz. Parabéns rapaz, sua história é linda e você um vencedor! Deus nunca nos dá um fardo mais pesado do que nossas forças são capazes de carregar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal! Fiquei feliz em saber disso. Obrigado por ter vindo conhecer o Blog e um pouco das coisas que penso e vivo. Um prazer, e espero te ver mais aqui

      Excluir