f Adeus, verde.: 6 mil km para se encontrar

19 de ago de 2014

6 mil km para se encontrar


Sem dúvida estou vivendo uma das experiências mais incríveis da minha vida. Estou a quase 6 mil km longe de casa. Estou em Roraima. Abandonei temporariamente Porto Alegre, e junto com isso a minha família, meu circulo de amigos, meu quarto, mas principalmente, minha rotina. Esvaziei as gavetas, dei espaço nos armários e embarquei no avião para uma viagem de 10 horas.



Faz exatamente dezenove dias que estou aqui, e nunca tinha vivido nada parecido. A intensidade das relações é o que mais me chama atenção, foi afastado de casa, que pude conhecer pessoas extremamente parecidas comigo, que falam a mesma língua e compartilham o mesmo sentimento, que me receberam de coração aberto em sua cidade e em suas vidas.


Experimento uma liberdade que sempre desejei sentir. Aquela liberdade de encher o peito de ar e se deliciar com o "agora", me encantar com uma cultura totalmente diferente da minha, conhecer pessoas, lugares, estar um pouco mais perto daquela natureza que extasia e consegue me deixar sem palavras (coisa que é difícil de acontecer). Estou encantado. Apaixonado!



Enquanto isso, o tempo passa. E é lógico que a saudade aumenta! A saudade da minha mãe, dos meus irmãos, dos amigos de sempre. Acreditem, mas a única coisa que neste momento faz as lágrimas virem é ouvir a voz da mulher que eu chamo de mãe, dizer por WhatsApp: "Não vou enviar áudio, porque tem dias que são mais difíceis. Te amo filho".




Eu sei que minha súbita ausência dói, ainda mais depois de tudo que passamos juntos, da alta convivência que tivemos, principalmente nesse último ano. Aqui também dói, aperta, mas alivia. Alivia, porque estou bem. Porque estou feliz. Porque encontrei aquela sensação de plenitude que eu vivia buscando em outras coisas.

Então, vou continuar minha caminhada. Continuar desfrutando o prazer que vem das nossas escolhas. Crescendo, amadurecendo, pra quando chegar vocês possam observar o quanto tudo isso me fez bem.

6 comentários:

  1. Imagino o que sua mãe sente... O eterno dilema que todas as mães (ou pelo menos a grande maioria) sentem, ora querendo ter os filhos por perto, acolhidos e protegidos embaixo das suas "asas" e, ao mesmo tempo, sentindo-se orgulhosas ao vê-los alçar seus voos, trilhar seus próprios caminhos, tomar as rédeas de suas vidas. Toda felicidade do mundo pra você, Felipe, e um beijo especial pra sua mãe.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Ildene, bj pra vc também. E é bem isso, a ambiguidade dos sentimentos. Fico muitas vezes imaginando o que vc tá fazendo, será que ta passeando na rua, olhando o mesmo céu que vejo por aqui? será que comeu, tomou bastante água? Dilemas de mãe...quero cuidar, proteger. Mas sei que vc tem capacidade de tocar a própria vida, de alçar novos vôos, e o que te desejo é REALIZAÇÃO E FELICIDADE. Te amo de todo o coração e com toda a minha alma, pra sempre!!!

    ResponderExcluir
  3. Incrível! Tenho meus simples 19 anos e sinto essa mesma vontade que você: sair de uma cidade no interior e quem sabe conseguir algo em Curitiba! Infelizmente, meus medos são maiores que minhas vontades. Tenho pais já de idade, e sinto que não posso abandoná-los agora. Aliás, nem ao menos sei me virar sozinho. Queria muito saber como você conseguiu tudo isso. Compartilho do mesmo sentimento, e queria muito entender como as coisas são a partir do momento em que você começa a desafiar o mundo. Texto incrível!

    http://onlinementefalando.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido. Bem vindo ao Blog. Fiquei feliz em ler teu depoimento. Eu sempre tive essa ansiedade, quando tinha 18, era só o que pensava, sair de casa, ir pra vida... Mas, a vida tem seu tempo. Tu é novo, essas coisas acontecem naturalmente. E obrigado, pelo elogio do texto. Abração

      Excluir
  4. O grande problema é que nós (me incluo tb) temos diversos "medos" e ficamos confortáveis em nossa zona de conforto, achando que vai ser uma fase, que logo vai passar.. e realmente passa: o tempo.. deixamos escapar, assim sem noção do real significado, mas nada está perdido, fica um aprendizado.
    Lhe desejo muito boa sorte Felipe e ti cuida! =]

    ResponderExcluir
  5. Bom saber noticias suas Felipe..
    Bom também saber que está realizando um dos seus desejos. Sou mãe de um guri da sua idade também, e mãe é tudo igual. Mas ficamos felizes quando vemos os filhos felizes. Te cuida. Bj RO/SP

    ResponderExcluir