f Adeus, verde.: Dezembro 2013

27 de dez de 2013

Amadurecer


Tem dias que as coisas não vão bem, que elas simplesmente não funcionam, tem dias que você está pra baixo e te faltam palavras, tem dias que estamos soterrados em nós mesmos e não tem o que nos tire de lá, tem dias que sentimos uma vontade de entrar para dentro de um buraco e não sair mais, tem dias que temos vontade de sair da cidade, do país, do mundo. As vezes os motivos para tudo isso são vários, mas, tem vezes que não existe nenhum motivo aparente, é apenas um sentimento, como o de felicidade ou o de tristeza, e somos obrigados a vivenciá-lo até que ele vá embora. Agora que estou curado estou vivendo novamente, então estou tendo a chance de colocar em prática tudo aquilo que escrevi ao longo dos últimos meses, tudo aquilo que amadureci, aí é que está... Amadurecer, falar em amadurecimento sem vivenciar de verdade não adianta em nada, é como se não existisse o tal amadurecimento. Muitas vezes escrevi aqui sobre palavras que não acompanham atitudes, é uma coisa que não aceito nos outros, que não tolero mais, mas, e se eu caísse justamente nisso, em estar usando palavras que não acompanham minhas atitudes. Estou "falando" tudo isso porque como disse estou novamente na vida, tendo a oportunidade de aplicar todo esse amadurecer fora do meu quarto, estou de novo convivendo com pessoas, então quando me vejo cometer um deslize desses que não aceito, desses que aquele Felipe antes da doença cometia, e que hoje não servem mais pra mim, eu fico para baixo e esse texto é gerado.

Estou aqui para dizer que amadurecer é difícil, mudar atitudes padrões que você vinha fazendo ao longo da sua vida de uma hora pra outra é bem complicado, requer muito esforço e força de vontade, por isso que eu digo que não adianta falar, você precisa fazer. Deixar velhos defeitos para trás e de uma vez por todas não é tarefa fácil, mesmo pra quem viveu uma doença como a minha, aprendi muito com o câncer que tive, realmente consigo hoje olhar a vida com outros olhos, mas não posso negar que ainda assim uma mudança total não é fácil de acontecer, requer um tempo para as coisas encaixarem. Conversando com um amigo e uma amiga hoje sobre isso que me afligia, ouvi coisas muito boas, meu amigo disse que pra acontecer alguma mudança realmente não basta só falar, você precisa vestir a camiseta, vestir a camiseta da mudança, mudar suas atitudes, se policiar, entrar nessa de verdade, de não querer cometer os mesmos erros novamente, e minha amiga acrescentou dizendo que "Amadurecer não é do dia pra noite".
Bom, de repente eu esteja sofrendo de um dos meus principais defeitos, que é o da ansiedade, de querer tudo rápido e para ontem, quero ver os resultados logo. Ainda tenho muito o que crescer, sem dúvida, o que me importa agora é que eu tenho essa vontade, que a vontade é sincera aqui dentro de mim, que eu não aceito mais qualquer falha no meu caráter, que eu quero ser cada vez mais integro, e que principalmente eu quero cicatrizar aquelas feridas do passado, aquela feridas cheias de ressentimento de momentos que eu não fui feliz ou que fui enganado, não quero mais levar isso na minha bagagem, não quero atravessar para o próximo ano com essas feridas abertas, quero provar o meu amadurecimento justamente com isso, com essa evolução. Quero ser cada vez mais feliz com esse Felipe que está todo dia nascendo mais um pouco, se transformando. Resolvi vestir a camiseta.

23 de dez de 2013

Natal Maluco


Hoje estive no centro de Porto Alegre, e me deparei com um formigueiro gigante feito de pessoas, pessoas que corriam de um lado para o outro, em um ritmo frenético e com suas sacolas batendo umas nas outras, mães segurando caixas e seus filhos, os filhos segurando bolsas e seus sorvetes, todos parando em cada frente de loja e escolhendo ali mesmo se entrariam ou não, perto deles os carros tentavam passar, buzinavam, gritavam, e aquelas pessoas se esquivavam mas continuavam seguindo, tudo a baixo de um sol que queimava, que sufocava. Lembrei naquele momento que aquela correria toda não significava o fim do mundo, apenas era o natal avisando que estava próximo, bem próximo eu diria.

Natal. Essa é uma data um tanto contraditória, vamos primeiramente esquecer (com todo o respeito) o real motivo dessa data, a parte bíblica de tudo isso, vou escrever somente sobre esse ritual que é o natal, que invade a casa da grande maioria das pessoas, independente de nível social, de raça, de sexo, ou até mesmo de religião, no dia 24 de Dezembro milhares de pessoas se unem em um mesmo objetivo, celebrar essa data. Eu chamo o Natal de contraditório porque toda essa loucura que descrevi no inicio do texto não combina em nada com o verdadeiro espírito natalino, acho incrível que as pessoas corram desesperadamente na última semana do ano para comprar seus presentes, presentes para os filhos, para os sobrinhos, para os pais, noras, genros, sogros, afilhados, presentes do amigo secreto da família, da vizinhança, do trabalho, do curso, da academia, enfim, laços e pacotes para tudo que é lado, sem falar das filas, do trânsito, e de todo o resto que você ainda tem para administrar.
No dia 24 mesmo, com todos os presentes espalhados pela sala, com toda a decoração de natal devidamente em seu lugar, você estará em sua cozinha quente, usando um avental de papai noel e com alguma luva velha que não acompanha aquele clima, mas, que serve para tirar o peru do forno, o chester ou seja lá o bichinho que você resolveu assar, fora isso tem a torta fria pra você preparar e os canudinhos para encher, provavelmente você só lembre da sobremesa quando estiver quase na hora de você abandonar aquela cozinha agora cheia de panelas sujas, pratos e colheres, no meio disso tudo você tem que se arrumar, então coloca um creme hidratante no cabelo e aproveita a "sauna" da cozinha para conseguir algum resultado, enquanto as rabanadas fritam você aproveita para fazer as unhas, dar um "tapinha" pelo menos, já que teve que trocar o salão de beleza por um supermercado lotado, a escova no cabelo você mesmo vai fazer, depois que vestir as crianças e entreter elas com Danoninho até que a comida seja liberada. Finalmente o peru está pronto, você ficou assistindo ele se "bronzear" ao longo daquelas quatro ou cinco horas, você nem lembra mais, o pior de tudo é que agora tem que decorar ele, como se decora um peru? esqueça as roupinhas de boneca da sua filha, opte pelo mais convencional, fios de ovos, cereja, farofa, alface embaixo para fingir ser uma "coberta" verde, enfim, jogar no Google é sempre uma ótima opção.
Ao longo desse dia e no meio de tudo isso você irá atender umas 37 ligações daqueles parentes distantes, que só querem antecipadamente lhe desejar um Feliz Natal... Feliz? Você respira fundo, você só precisa tomar um banho e beber um Whisky sem gelo para se sentir melhor, para resgatar seu espírito natalino que em algum momento ficou preso dentro do forno, ou na geladeira ou na despensa. Depois de tudo preparado e de já ter dado milhares de gritos com as crianças que teimam em abrir os presentes antes da hora, você vai para o seu banho, para o seu quarto, fedendo, escabelada e exausta, respira bem fundo na frente do espelho, vai para debaixo do chuveiro e tira aquele cheiro de rabanada que impregnou no seu corpo, depois do banho os cremes, o perfume, a maquiagem, a lingerie nova com a cor que seu signo recomendou, o cabelo, e a melhor roupa que você poderia escolher. Na sala todos lhe esperam, enquanto conversam, comem os canudinhos que você preparou, bebem, fazem piadas quanto ao tamanho do peru, quanto ao pavê que está na geladeira, começam a pensar em como revelar seus amigos secretos, reparam no tamanho dos presentes, as crianças brincam, voam pela casa, entram em todos os cômodos e alguém grita "Na cozinha não!!!!" Bebês choram, depois mamam, o Papai da casa se transforma em Noel, morrendo de calor e destilando cerveja pelos poros, pega o saco vermelho e desce as escadas, vocês não tem chaminé. Meia noite, a contagem regressiva da Rede Globo avisa, o champanhe estoura, cai dentro das taças que estão unidas e no seu tapete caro, mas, é nesse momento que você olha ao redor e percebe toda a sua família sorrindo, sorrindo e se abraçando, é nesse momento que todas as famílias de todos os lugares sentem a mesma energia, a de gratidão, de carinho e de desejo, no momento que os abraços se fecham e as mágoas são postas de lado pelo menos por alguns segundos, tudo aquilo vale a pena, é nesse momento que o espírito natalino invade você, você abre um sorriso, vira para a janela, repara na imensa lua e nas dezenas de estrelas que estão decorando aquela noite e agradece, agradece por essa união, por esse ano, pela saúde e por aquela atrapalhada família. A moral da história? Com amor tudo vale a pena.
Um feliz natal a todos vocês, com muita luz, paz e divertidos momentos ao lado de quem você mais ama. 

19 de dez de 2013

Mostra a tua cara


O sábio Cazuza já dizia em uma das suas canções: "Mostra a tua cara". Tudo bem que nesse caso ele falava para o Brasil, mas, aproveito a deixa para repetir a algumas pessoas: "Mostra a tua cara", cada vez fico mais tolerância zero com esse tipo de gente, que se esconde atrás de uma coisa que não é, que não mostra a cara pro mundo, que não bate no peito e diz quem é de verdade, não suporto ouvir discursos que não fecham com atitudes, gente dizendo ser o que não é, carinha de gente boa, educado, prestativo, carinhoso, até virar as costas, até ir pra casa, até ficar sozinho em seu próprio mundo. Essas coisas realmente me assustam, porque não consigo ser desse jeito, não consigo ter uma vida paralela, ser duas pessoas, e fico pensando como é a vida de quem faz isso, como é viver pela metade? Como é ser alguém que você não quer ser, em sua própria vida? Os motivos devem ser diversos, e devem ser muito particulares, e complicados de entender, terapia deve ser uma boa alternativa. 
Por isso, definitivamente não aceito mais em minha vida esse tipo de pessoa, não tenho mais paciência, e não sirvo mais para psicólogo, as portas estão fechadas para esses visitantes. Sejamos todos cada vez mais transparentes, vamos ser coerentes em nossas declarações, vamos decidir em que lado do muro ficamos, vamos usar a sinceridade ao nosso favor, jogar limpo, quanto mais preto no branco as coisas forem mais chances de funcionar elas tem, vamos chegar nas pessoas e colocar os pingos nos is, chega de usar as palavras por usar, as pessoas esquecem a força que as palavras tem, e jogam elas pra fora assim, sem medir, sem pensar no que estão realmente falando. Deixe as pessoas te conhecerem de verdade, pra ver se vão realmente gostar. Para de usar tua carência para se aproximar das pessoas, carência afasta, com muito custo eu aprendi isso, e posso te dizer que sempre há tempo. Assuma, essa é a palavra: Assumir. Assumir tua opção, assumir o que você gosta de verdade, que gênero de filme você prefere, que comida, que bebida, o que você gosta de fazer, e não o que faz para agradar os outros, se assuma com todos seus defeitos, sejam os piores e mais tenebrosos, mas, ASSUMA, fazer gênero, se vender como se fosse uma mercadoria, ter duas vidas, me desculpa, mas isso não é viver, isso é se esconder. Aproveite o ano que está entrando, vá até a beira do mar e solte todas essas mentiras, deixa a água levar suas máscaras, seus discursos já tão ultrapassados e falsos, se liberte de todas essas coisas, de repente depois que você estiver "nu", sem tudo isso atrapalhando, você até fique feliz de se reconhecer de verdade, de se enxergar pela primeira vez, ou de permitir que os outros enxerguem, de repente você vai conseguir ser mais legal do que tenta, de repente a partir daí as coisas comecem a se abrir para você, a partir disso pode ser que mais pessoas se aproximem, e dessa vez pessoas de verdade, que queiram ficar, que queiram permanecer, e que não sairão correndo ao perceber quem você é. Talvez o teu caminho sempre solitário acabe. Trate bem suas novas relações, use as palavras a teu favor, e por favor, não esqueça das atitudes acompanharem essas palavras, se não elas viram lixo. O momento que começamos a ser tudo aquilo que dizemos, a nossa vida começa a andar pra frente. Então, por favor, mostra a tua cara!

16 de dez de 2013

Pedidos da virada


Final do ano é isso sempre, não adianta tentar evitar, acabamos sempre fazendo planos para o próximo ano, traçando metas e mentalizando pedidos enquanto pulamos as ondinhas, queremos sempre acreditar que o ano que está chegando vai ser ainda melhor do que o anterior, pra isso fazemos a nossa listinha mental de tudo que queremos trazer para a nossa vida nos próximos 365 dias. Comigo obviamente não é diferente, uso essa ideia de fim de ano justamente para me reorganizar psicologicamente, fazer aquela velha e conhecida retrospectiva do que foi meu ano, e a partir disso planejar e priorizar coisas novas para o próximo. 

Lembro de muitas "puladas" de ondas, lembro de diversos anos onde me concentrei ao máximo para fazer meus pedidos, e acreditei com cada molécula do meu corpo que aquilo daria certo. Sempre fui uma pessoa muito passional, daqueles que se entregam com tudo, que pulam sem saber se existe rede de proteção, então sempre gastei um dos meus sete pulinhos pedindo uma pessoa bacana, mentira... uma pessoa bacana, sincera, leal, bonita, companheira, engraçada, etc, uma pessoa para me acompanhar ao longo do próximo ou dos próximos anos. Com essa vontade toda é fácil se enganar, e acabar caindo aos pés de qualquer um, que você imagina ser tudo aquilo que mencionei e mais um pouco, e com o tempo isso cansa, além claro de fazer muito mal, só quem teve um relacionamento turbulento sabe as causas finais disso tudo, então na virada do ano passado eu fiz diferente, substitui o pedido de ter alguém para o de não ter ninguém, ao dar meu pulinho pedi que o ano de 2013 fosse um ano todinho pra mim, que eu não viesse a me envolver com ninguém, para então eu conseguir buscar um autoconhecimento e um amadurecimento que só a solidão trás, e não é que Deus me ouviu, e da sua forma trouxe todo o amadurecimento que eu tanto pedia, além de me permitir percorrer todo esse ano "sozinho", sem envolvimentos afetivos, e para eu não dar falta de nada colocou diversas pessoas muito, muito especiais no meu caminho, pessoas que realmente estiveram comigo na alegria e na tristeza.
Esse fim de ano é diferente, realmente tudo mudou, aquele Felipe de um ano atrás não é o mesmo que vai entrar no mar a meia noite agora do dia 31. Então os pedidos vão ser outros, acho que a saúde vai ocupar 5 dos meus pedidos, dos outros dois eu só revelo um, em 2014 eu quero alguém, vou pedir novamente ao mar, aos deuses, ao universo alguém pra valer, e a única exigência dessa vez é que esse alguém seja verdadeiro, apenas verdadeiro, verdadeiro o suficiente para fazer as coisas funcionarem, verdadeiro o bastante para eu me orgulhar de ter essa pessoa do lado, que a verdade envolva nossa relação, fazendo disso brotar coisas boas, momentos únicos e histórias engraçadas, enfim, tudo que um relacionamento precisa para ir para frente e não desabar nas primeiras brigas. Estou pronto para receber a pessoa que vou amar de verdade, pois, ao contrário das outras vezes, agora eu sei quem eu sou, descobri minha força e meu grande valor nesse ano, e essas coisas uma vez descoberta, nunca mais lhe é tirada. Aprendi que pessoas devem se somar, nunca se diminuir. Aprendi que confiança é algo muito frágil, feito uma joia, se arranhado ou quebrado perde valor. Aprendi que palavras sem atitudes são como um aquecedor no verão, não servem pra nada, além de ocupar espaço. Arrastar um relacionamento, ou fantasiar qualidades em uma pessoa para "realizar" um desejo de fim de ano, não vale nada a pena. Estar seguro de si e focado em sua própria vida, isso sim vale a pena, e é desse jeito que qualquer pedido de fim de ano se concretiza. Que venham as 7 ondas!

14 de dez de 2013

João Vitor


Que ontem foi um dia especial todos sabem, mas, não foi somente especial por ter sido o dia da minha cura, se tornou ainda mais especial a noite, por eu ter tido a oportunidade de ver meu primeiro afilhado se formar na pré escola, acho que são nesses momentos que a gente se dá conta que está ficando velho, não é? Eu vi ele pequeninho nascer, prematuro, bem pequeninho mesmo, frágil mas cheio de luz sempre, e o mais louco de tudo é que parece que foi ontem, lembro direitinho de tudo, do convite para ser padrinho a noticia do nascimento do João Vitor, eu tinha apenas 18 anos, era um jovem ainda cheio de dúvidas, com aqueles defeitos que a adolescência acaba deixando em evidência, uma fase que era nova para mim e que fez meu sobrenome virar "Festa", mas, assim mesmo os pais do futuro João confiaram em mim, o Igor, meu primo e sua esposa Shirley me deram essa oportunidade única que é ser dindo de um "serzinho" tão especial, de uma criança que chega em sua nova família trazendo tantas coisas, e não é só por que o João é meu afilhado mas com ele foi tudo muito diferente, o João não é qualquer criança, ele trouxe com ele um olhar de quem já sabe muito, parece que nasceu pronto para entender as pessoas em sua volta, é uma criança que tem uma inteligência que vai além dos livros, tem uma inteligência de alma, um entendimento que nunca tinha visto antes, fora o carinho, um pequeno cheio de amor para dar, que aprendeu rapidinho quem era o dindo dele, e aprendeu a me amar do jeitinho que eu sou, exatamente como seus pais fizeram quando me escolheram.

Ver ele subir no palco ontem, se apresentar, dançar com seus colegas, interagir com as pessoas que estavam olhando, falar o juramento no microfone de forma clara e fofa, realmente mexeu comigo, fiquei muito emocionado em perceber que meu pequeno está crescendo de verdade, está ali tendo sua primeira formatura, criando sua personalidade e seu caráter, se tornando cada vez mais um ser humano importante, importante para quem está a sua volta hoje, e importante para quem ele ainda vai cruzar o caminho. O João é muito especial, desceu do palco formado e sua primeira pergunta pra gente foi "o que vocês mais gostaram?" Só consigo sorrir pra ele e dizer que o amo.
Quero acompanhar a vida dele toda, estar presente em todos os momentos especiais, na sua próxima formatura, no seu primeiro emprego, na entrada na faculdade, em mais uma de suas formaturas, no seu casamento, enfim, em qualquer coisa que ele faça, quero estar na platéia, aplaudindo e chorando. E, quando ele estiver mais velho vou sentar junto dele e contar que quando ele ainda era criança com seus 5 anos e ficou sabendo que eu estava doente, pediu para a Shi comprar uma maleta de médico de brinquedo, daquelas que vem estetoscópio, caixinha de Band-Aid, injeção e tudo que um bom médico precisa, hahaha, e entrou aqui em casa dizendo que era meu médico, médico do seu dindo, nunca vou esquecer disso, como também não esqueço dos olhos dele quando me viu chorar de fraqueza na pior semana da minha quimioterapia, aquele olhar de quem entende e apoia, sempre pronto para dar um abraço carinhoso do qual eu precisava. Obrigado de coração pela oportunidade de ter batizado alguém tão lindo e com o coração tão puro quanto o João Vitor. E, parabéns meu amor por essa nova fase que vai começar.

Meu médico!

13 de dez de 2013

Estou curado!!!


Qual a sensação? Única. Sensação de nascer de novo, de ganhar a vida mais uma vez, alivio se torna uma palavra muito pequena no meio de tudo isso, to inteiramente feliz, completamente realizado, me sentindo pleno e completo, nunca experimentei essa sensação antes, é realmente única. Não choro mais, só consigo sorrir, sorrir e agradecer sem parar, agradecer a Deus, aos santos que me apeguei, ao universo que tanto pedi para que conspirasse a favor, e a vocês, a cada um de vocês que me deram força, conforto e que acompanharam aqui nesse Blog toda a minha luta, todas as vezes que estive pra baixo, com medo, angustiado, enjoado, enfim, vocês estiveram comigo em todos os momentos dessa batalha, e agora me sinto muito, muito feliz mesmo de poder compartilhar essa noticia com vocês. 

Ainda tenho exames pela frente, cuidados grandes para tomar, estou entrando em uma nova vida com certeza, onde a minha saúde e meu bem estar são prioridades, estou abandonando qualquer vicio que eu tinha, para me dedicar somente a mim, a minha saúde, minhas defesas estão ótimas, então semana que vem já estou indo para academia, cuidar do meu corpo, enfim, estou voltando para a minha vida, ou seria melhor dizer para uma nova vida. O médico não disse aquela frase que eu vinha sonhando "Tu está curado", mas, me deu noticias ótimas, meu índice tumoral baixou de 27 para 1.2, isso é excelente, esse 1.2 para eles é como se fosse zero, então eu sei que ESTOU CURADO! A partir de agora só retorno no hospital para fazer alguns exames e controlar esse percentual, quimioterapia nunca mais, que assim seja!
Só sei que estou feliz, respirando bem fundo de novo e completamente louco pela vida que me espera, completamente maluco para realizar meus sonhos e projetos 2014, to muito orgulhoso de mim, da minha Mãe, dos meus irmãos, da rede de amigos que eu tenho e que eu fiz, passou, tudo passou. 
Então vamos sorrir, vamos nós alegrar, e acreditar sempre na nossa capacidade, Deus reserva um futuro lindo para mim e pra todos que acreditarem. Somos muito mais fortes do que imaginamos, eu sou prova viva disso, minha mãe também, sempre tão preocupada com qualquer "gripezinha" que eu tivesse, sempre achando que o mundo ia acabar quando eu ficava febril, e aí estamos nós, passamos por um câncer e estamos de pé, e acredito que mais vivos do que nunca. Toda essa história, toda essa trajetória serviu de lição para toda a minha família, amigos e mais algumas pessoas, e hoje ao olhar para todos eles fico sem palavras, pois estamos todos mais fortes, mais confiantes e bobos de felicidade. Muito obrigado por terem ganhado essa luta junto comigo, por terem guerreado do meu lado dia e noite, e principalmente por não terem deixado de acreditar em mim e na minha cura em nenhum segundo nesse tempo todo. Amo muito todos vocês. OBRIGADO!

12 de dez de 2013

Sinto Medo!


Somente agora as cinco da tarde me dei conta que amanhã de manhã vou saber o resultado dos meus exames, mais do que isso, vou saber se estou curado desse Câncer ou não. Desculpa a todos mas é difícil ser forte nessas horas, estou com muito medo, a realidade acabou de cair sobre a minha cabeça, é amanhã, estou dependendo de um resultado, e ainda falta uma noite inteira para eu estar de frente da minha Oncologista para enfim saber quais serão meu próximos passos. Estou com muito medo, mais do que qualquer momento desse longo tratamento, foi difícil descobrir a doença mas está sendo pior essa espera para saber se acabou. O mais louco nisso tudo, é que eu rezo, peço a Deus, aos santos que acredito, fiz um abaixo assinado com o universo, fui em outras religiões onde tive a oportunidade de pedir pela minha saúde e pelo fim desse câncer, mas, mesmo assim é difícil acreditar 100%, só de existir 1% de dúvida, de incerteza, gera esse medo que estou sentindo agora, um medo que me faz chorar. 

Tudo isso é muito duro, e eu só quero minha vida de volta. Estou aqui sem saber nada, sem saber o que vai ser daqui pra frente, sem saber o que posso ou não fazer, até onde a minha vida vai voltar a ser "normal", e tem ainda esse suspense de ter eliminado o Câncer ou não, tudo é "ou não" e eu só quero certezas. Quero acreditar que amanhã vou receber o melhor resultado do mundo, vou ter a noticia que estou curado e livre dessa doença. Tenho medo de não ser assim, não pensem que estou sendo pessimista, claro que não, penso e rezo sempre pelo meu melhor, mas estou louco de medo, quero a tranquilidade na minha vida de novo, quero ver a minha mãe e meus irmãos sorrindo de verdade, aliviados disso tudo. Eu quero ficar aliviado, por favor, meu Deus, olha por mim aqui, aprendi muito com essa doença, mas eu quero ir embora, quero me livrar dela e voltar pro meu caminho, não aguento mais sentir esse medo, não aguento mais perder a noite de sono por ansiedade, por favor, faz amanhã chegar logo, ilumina esse resultado, e faz o melhor por mim.
Vou repetir para mim mesmo "tudo vai dar certo, tudo vai dar certo, tudo vai certo..." até dar. Até eu poder sorrir amanhã finalmente aliviado dessa história toda, se Deus quiser, se os anjos ajudarem e o universo dar aquela força amanhã vai ser um grande dia, dia da minha vitória, amém.

11 de dez de 2013

Pé na Bunda


O que seriamos sem o famoso "pé na bunda?" Estava deitado agora, de barriga para cima, olhando para o teto e me veio isso na cabeça, o que seria de nós se não tivéssemos passado por esse tipo de coisa? "pé na bunda" gente desleal, gente que se apresenta pra você de um jeito e com o tempo você descobre que não é nada daquilo, traições que você descobre, ou as que você não descobre, todas essas coisas machucam muito, ainda mais quando estão quentes, quando aquilo ainda está no seu presente, mas, quando você cria um distanciamento de tudo isso, quando as marcas já se apagaram e os causadores já estão bem longe de você, aí conseguimos olhar de outra forma, conseguimos perceber o quanto essas coisas foram importantes.
Tem aquele clichê que diz que "pé na bunda" te empurra pra frente, um baita clichê mas cheio de verdade, é quando esse empurrão te expulsa daquela zona de conforto que você estava até agora, achando que aquele relacionamento era maravilhoso, mesmo que vocês nem se falassem mais, mesmo que as ausências dele ficassem cada vez maiores, apesar das brigas serem constantes, e de vocês dormirem com a desconfiança toda a noite, mesmo assim é difícil "largar o osso", é difícil abandonar uma relação que um dia foi história de amor, é duro admitir que não é mais, que não dá mais, normalmente esse tipo de relação só chega ao fim quando um dos dois resolve colocar seu "pezão" bem no meio da bunda do outro, e é somente quando a porta bate, quando o guarda-roupa desocupa espaço, quando a cama fica vazia, e quando ninguém mais come seu iogurte antes de você, que você resolve começar a viver, ou pelo menos tentar, é graças ao triste "pé na bunda" que as pessoas resolvem se mexer, é nessas horas que entramos na terapia, que começamos academia, uma dieta, um ioga, uma aula de teatro, que abandonamos um emprego, que procuramos outro, que mudamos as roupas, cor de cabelo, corte, enfim, é somente nesse momento que resolvemos dar um sacode na nossa tão parada vida, tem gente que diz que ao fazer todas essas coisas estamos cobrindo buracos, e estamos mesmo, precisamos cobrir nosso dia que antes era ocupado por alguém que nem merecia estar ali, precisamos estar fora de casa quando a hora do jantar se aproxima, precisamos comprar coisas para tapar o buraco que ficou no guarda-roupa, fazer todas essas coisas não alivia o coração, mas, pelo menos preenche a sua mente.
Tudo parece muito difícil, términos são difíceis mesmo, a vida não é que nem novela que por estar chegando ao final você logo encontra um par amoroso, pegam o buquê e vão casar na praia, não, a vida é um pouquinho diferente, demanda um pouco mais de tempo, mas, nada impede do buquê e do casamento virem a existir. Você só precisa estar disposto, estar aberto e estar curado de qualquer feridinha do passado. Graças a traições e pessoas não tão legais, hoje sabemos exatamente o que queremos e o que não aceitamos mais em nossas vidas, graças a essas pessoas estamos mais magros, com cabelos diferentes, conhecemos o ioga, resolvemos muitas das nossas "nóias" na terapia, fizemos teatro, e temos até um guarda-roupa novo, fora os iogurtes só para você. Então agradeçam a todos os "pés na bunda" que levamos.

De Volta ao Hospital


Amanhã volto ao hospital, aquele mesmo onde entrei diversas vezes ao longo dos quatro meses, aquele onde fiz minha quimioterapia semanal, onde conheci grandes lutadores e compartilhei de histórias incríveis, mulheres totalmente fortes combatendo suas doenças, lutando contra um câncer de uma forma muito digna, e sempre, sempre com um sorriso no rosto, conheci pessoas capazes de ajudar outras mesmo tendo que lidar com suas dores, conheci filhos e parentes incríveis que mesmo saudáveis estavam todo o dia bem cedo nos corredores daquele hospital, segurando a mão e limpando a boca de seus familiares, foi naquela sala olhando aquelas pessoas que entendi o que é força de verdade, e o que significa problema e dor pra valer.
Não quero nunca mais voltar naquela sala, onde recebia pesadas doses de medicamento na veia, onde meu sono era confuso e sempre interrompido, onde as luzes nunca apagavam e as horas viravam dias, onde o cheiro da medicação tomava conta do lugar, não, eu realmente não quero voltar lá, mas, sinto falta daquelas pessoas, todos carequinhas em suas cadeiras, jogando conversa fora para tentar desviar a atenção do verdadeiro motivo de estarmos ali, sinto saudade de olhar nos olhos daquela gente tão sincera e com coração tão grande. Como sempre acontece na vida perdi o contato da maiorias daqueles guerreiros, mas, não deixei de pensar neles, hoje em minhas orações vou relembrar de cada um, e acreditar que eles estão por aí vencendo essa doença, como eu venho fazendo, vou pedir a mesma força, e conforto que peço pra mim, quando você vê um ser humano lutando bravamente, com toda a sua força, com garra, com determinação e com aquela fé inabalável você não consegue admitir que ele perca, é difícil aceitar que a derrota chegue para esse tipo de gente, parece não ser justo, mas, vai entender os ciclos dessa vida. 

Amanhã retorno para o hospital, somente de passagem, para refazer todos os exames que fiz no começo do meu tratamento, os de sangue, onde apontam os marcadores tumorais no organismo, é através desse exame que vou ter meu resultado oficial, na Sexta-feira tenho consulta com a Oncologista, e ela vai me dizer se consegui eliminar o câncer, se os quatro ciclos de quimioterapia bastaram. Bom, estou ansioso, tenho um friozinho na barriga com certeza, esperei muito tempo para esse resultado, enquanto eu vomitava por causa dos enjoos, ou chorava pela fraqueza do meu corpo eu só pensava nesse dia, o dia que toda essa luta valesse a pena, o dia que eu estaria de frente para minha Oncologista e ela me diria "Você está curado, Felipe", sonhei acordado e dormindo com a sensação que a felicidade dessa noticia iria me trazer, só penso em sorrir, e agradecer, e sorrir, e abraçar meus familiares, abraçar minha mãe, meus amigos, só quero que o resultado desse exame esteja a meu favor. Torçam e orem por mim, apesar desse frio na barriga estou confiante, pronto para vencer essa luta. Muito obrigado por tudo!

9 de dez de 2013

Golpe de Felicidade


Sabe quando no meio de um momento qualquer você se dá conta do tamanho da sua felicidade? Isso certamente já aconteceu com você, é aquela hora que parece que somos invadidos por uma felicidade tão grande que nos preenche, é o melhor tipo de felicidade, a que trás plenitude, que faz a gente perceber o quanto estamos completos, pelo menos naquele momento.

Essa sensação chegou em mim ontem a noite, quando eu estava dentro do carro com dois amigos e duas meninas que eu havia conhecido naquela mesma noite, a gente estava voltando de um jantar, um jantar em um bom restaurante, daqueles que você é bem atendido o tempo todo, que as pessoas na volta estão muito bem arrumadas, e pedindo pratos que são tão bonitos quanto caros, isso em pleno domingo, o dia mais descomprometido da semana, a noite estava agradável, daquele tipo que você se imagina sentado em uma mesinha de bar tomando alguns drinks noite a dentro, o céu estava bem estrelado, lembro de ter visto da janela do carro as três marias, acho que foi nesse momento que fui interrompido por aquele golpe de felicidade. O jantar estava ótimo, porque a gente riu o tempo todo, trocamos histórias e falamos bobagem enquanto comíamos uma batata frita aos 5 queijos com bacon, e uma cebolinha frita com molho picante que com certeza devem servir lá no céu, no final da noite pagamos a nossa conta e entramos no carro, ligamos o som, dançamos e cantamos feito bobos, gente boba é muito feliz.
E naquele momento bobo, eu olhei pela janela, e vi as três marias, olhei a minha volta e me dei conta do tamanho da minha felicidade, percebi o quanto a minha vida estava exatamente onde devia estar, e esse pensamento, essa constatação trás uma paz gigante, a paz que as coisas certas costumam trazer, como se tudo que você andou tivesse valido a pena, como se todo o caminho e o caminhar tivessem sido tão importantes quanto aquele momento, ou aquele lugar que agora você está. Foi através daquele momento ontem a noite que eu tive a certeza de quanto as coisas estão certas, o quanto tudo está em seu devido lugar, estou feliz comigo, acho que pela primeira vez na minha vida eu estou realizado com o que eu sou de verdade, estou admirado do Felipe que eu olho no espelho agora, eu estou feliz ao olhar em volta e ver os amigos que estão comigo, ver o time incrível e seleto que escolhi para fazer parte da minha vida, essa é outra sensação maravilhosa, a de saber que finalmente escolhi as pessoas certas para compartilharem os meus momentos, e melhor ainda foi ter deixado para trás as pessoas que não valiam a pena, que não me agregavam mais em nada. Estou feliz pelo que tenho, pelo que perdi, e pelo que reconquistei.
Esse golpe de felicidade tem motivo, é tudo isso que escrevi aqui e mais outras tantas coisas. Mas, a palavra que resume tudo é: Realização. Sou uma pessoa realizada nesse momento, estou na casa que queria estar, uso as roupas que eu queria vestir, como as coisas que despertam meu desejo, me relaciono com quem chama a minha atenção, ligo e atendo quem me faz bem, visito e saio com as pessoas que eu amo, tenho um Blog, uma família grande e barulhenta, estou vendo minhas sobrancelhas, minha barba e meus cabelos crescerem todo dia mais um pouco, e principalmente, eu tenho sonhos enormes, que só dependem de mim. Então, você sabe quando você se dá conta do tamanho da sua felicidade?

7 de dez de 2013

A Segunda Chance


Cada dia mais entendo o quanto a vida é surpreendente. O quanto definitivamente não sabemos nada do que nos aguarda, é super clichê mas a vida é realmente uma imensa caixa de surpresas, fazendo a gente perceber que só temos a ilusão de achar que sabemos muito, a verdade é que nunca sabemos com o que vamos ser surpreendidos, qual a grande novidade que a vida deixou reservada pra gente na próxima esquina. Estou surpreso com que a vida me trouxe nessas últimas semanas, ela me devolveu amizades que eu acreditava ter acabado, que eu pensava que não tinha como resgatar, como recuperar, como trazer de volta as coisas que em algum momento lá atrás se perderam. É difícil a vida te dar uma segunda chance, te dar a oportunidade de ser melhor, permitir que você vá a luta para recuperar todas aquelas coisas que alguma situação ruim, algum desentendimento acabou levando, não estou falando aqui de qualquer amizade, estou falando de uma grande amiga, de uma incrível amizade, de uma pessoa que em nenhum momento desde que nos conhecemos eu pensei perder, estou falando daquele tipo de pessoa que você se apaixona, que você perfeitamente se encaixa e que a partir disso a história de vocês se desenrola, e a nossa história se desenrolou por mais de dois anos lindamente, com momentos únicos e quase sempre hilários, bastava a gente se encontrar para começar a dividir nossas dúvidas, nossos medos, as coisas engraçadas da semana, as sérias e as maiores bobagens também, até porque é disso que as amizades são feitas, e quer saber? nós dois fizemos uma amizade muito, muito bonita, da qual tenho muito orgulho, e da qual me fez muita falta.

Escrevo sobre isso, pois essa semana quando tivemos nosso encontro do tipo "velhos tempos", eu fiquei observando ela falar, ela rir, a gente trocar aquela energia boa, as palavras saírem da nossa boca quase que sem parar, e tudo aquilo me deu uma sensação muito boa, fiquei muito feliz e completo, entendi naquele momento porque escolhi ela, porque aquela amizade me fez tanta falta, fazendo eu entender que por mais que se lute contra um sentimento, por mais que a gente queira colocar na cabeça que aquilo terminou, que aquilo não vai voltar, que aquilo mudou para sempre, sempre tem uma "chancezinha" guardada, sempre fica pelo menos um pouco aquela certeza que possa dar certo de novo, que vale a pena tentar, e nada me emociona e me deixa mais feliz do que ver as pessoas tentando, do que te ver tentando. Tem uma frase linda do Caio F. Abreu, que sempre me apeguei muito, onde diz "O que tem que ser tem muita força".
Bom, a vida me deu uma segunda chance de ser melhor, de não errar outra vez, e eu estou aqui segurando firme nisso, acreditando que realmente os últimos acontecimentos da minha vida me ensinaram muito, e fizeram eu valorizar mais ainda pessoas de coração bom, pessoas sinceras e dispostas a amar o próximo. Eu sou uma dessas pessoas, apesar de qualquer erro do passado, continuo sendo o mesmo que você conheceu (um pouquinho melhor, eu acho) e continuo acreditando muito no que a gente tem de melhor, quando escrevi o texto Cicatrize (http://www.adeusverde.com.br/2013/11/cicatrize.html) em alguns trechos lembrava muito de você, da nossa amizade, eu enxergava a gente como uma grande ferida, que não seria fácil e levaria muito tempo até cicatrizar, mas, hoje estou feliz ao perceber que nós dois juntos resolvemos cuidar desse machucado, limpar essa ferida e torcer para que ela cicatrize logo e que nossa relação fique mais bonita do que um dia foi.
Sabe que eu te amo!

5 de dez de 2013

E o Blog?


Ontem a noite em uma conversa com amigas, fui questionado sobre o Blog, como seria o Blog agora sem o fator Câncer, e a bastante tempo venho recebendo perguntas desse tipo, e pedidos para não deixar de escrever. Então, como escrevi no primeiro texto, eu sempre quis ter um Blog, achar um espaço onde eu pudesse dividir meus pensamentos, meus medos, minhas vivências e aprendizados, esse sempre foi meu objetivo, apesar de nunca ter concretizado. A alavanca final para esse Blog finalmente sair realmente foi pelo Câncer, eu precisava urgentemente naquele momento desse espaço, precisava fazer o que sempre amei, que era escrever, utilizar das palavras para organizar meus pensamentos, sempre fiz isso, da infância a adolescência nunca deixei de escrever, ao final de cada texto me sentia melhor, me sentia limpo, aliviado.
Quando recebi o diagnóstico que estava com câncer, não pensei em terapia em nenhum momento, muitas vezes fui levado a procurar um psicólogo por muito menos, por "problemas" que hoje sinceramente não significam nada para mim, mas, naquele momento não queria terapia, queria um Blog, queria escrever, escrever sem parar, contar aquela história que eu estava começando a viver, contar detalhes de um tratamento que tantas pessoas desconhecem, que eu desconhecia, queria achar um meio de deixar todas as pessoas que me amam, e que eu amo informadas, por dentro do meu tratamento, entendendo e acompanhando a minha doença, esse foi meu foco o tempo todo, iria colocar o Blog no ar e tudo que viesse dele seria bônus extra, pois eu já estava muito realizado em ter encontrado meu espaço.
A surpresa foram esses bônus, fiquei muito feliz ao perceber que o Blog alcançou algo maior do que eu imaginava, foi muito bom ver os acessos crescendo e conquistando leitores fiéis, que se envolveram com a minha história e resolveram ficar na torcida, o grande bônus foi poder escrever para tantas pessoas, e contar melhor, de uma forma mais clara como funciona uma quimioterapia, como é lidar com um Câncer, era fantástico ver o número de seguidores crescendo, era mais incrível ainda receber carinho e palavras reconfortantes de pessoas que moram em Recife, Pernambuco, São Paulo, Rio de janeiro, Maceió, e até em Portugal, ver o Blog alcançar essas pessoas foi surpreendente.
Estamos chegando em 23 mil acessos e o Blog ainda não completou seu terceiro mês, então só posso agradecer a todos esses bônus que encontrei no caminho. A corrente que se formou para a minha cura foi gigante e muito forte. Relatei tudo isso para responder as pessoas que me perguntam o que será o Blog a partir de agora? ele continuará sendo o que sempre foi, o meu espaço, onde vou continuar escrevendo o que vier a minha cabeça, ou melhor, o que vier ao coração, o Subtitulo do Blog diz "Os mil pensamentos de um jovem amadurecendo", bom, o amadurecimento vai ser eterno, estamos constantemente dando adeus ao nosso verde, os mil pensamentos vão sempre existir por aqui, o Blog a partir de agora vai ser o relato desses novos aprendizados, e das surpresas que a vida tem reservado pra mim. Que assim seja!

PS: Espero que curtam o novo visual do Blog, comentem.

3 de dez de 2013

A Convivência


O segredo de uma boa convivência é não conviver o tempo todo. Percebi que por mais amor que se tenha uma convivência diária, quase que em 24 horas, não faz bem para ninguém, as pessoas precisam de espaço, precisam se sentir livres e sozinhas por algum tempo, nem que esse tempo seja curto, mas, ele precisa existir. E essa regra abrange todos os setores da nossa vida, é aplicada em todos os relacionamentos que temos, seja no familiar, no amoroso ou até mesmo nas amizades, pois em todas essas relações existem pessoas, e por mais amorosas, carinhosas e dedicadas que elas sejam, elas também querem seu espaço em algum momento. Eu sempre fui muito passional e extremamente carinhoso, e por muito tempo achei que presença era a base de qualquer relação, que para existir uma era preciso uma presença quase em tempo integral, então não preciso contar aqui que espantei e sufoquei muitas das pessoas que me relacionei, a verdade é que ninguém aguenta uma pessoa tão presente, tão disposta, principalmente tão disposta a conviver, é irritante. Cada vez mais as pessoas necessitam de seu espaço, é maravilhoso estar junto, compartilhar momentos únicos com as pessoas que você ama, é importante dar carinho e receber carinho, é incrível conviver com nossa família, morar com um amigo, ou dividir cama com o namorado, é um sonho para a maioria das pessoas, mas, mesmo quem vive esse sonho, sabe que isso pode virar um pesadelo.
É lindo acordar com quem se ama, difícil é entender porque ele liga o rádio antes mesmo de lavar o rosto e começa a cantar e dançar, com uma animação irritante de quem não percebeu que são 6 horas da manhã de uma Segunda-Feira, é maravilhoso tomar café da manhã com sua família, o ruim é perceber que acabaram com seu iogurte de morango, aquele que faz o teu intestino funcionar que nem um reloginho perfeito, e que por isso hoje você irá sofrer a consequência de um intestino trancado por excesso de convivência, é incrível convidar um amigo para dormir na sua casa, o duro é ficar sabendo naquela noite que ele faz dublagem de trator enquanto dorme, que o barulho de 10 porcos sendo abatidos te incomoda menos que o barulho que ele emite pela boca. Morar, conviver com quem se ama é lindo, é bonito, mas o dia a dia não é que nem as propagandas de margarina, ou qualquer coisa comestível que a televisão mostra, onde todos se sentam a mesa com seus sorrisos congelados, onde o macho alfa da família lê o seu belo jornal, sem nenhuma dobra, como se tivesse acabado de chegar da gráfica, e sua esposa já bem maquiada as 5 da manhã serve um suco de laranja, tão, mas tão laranja que chega a machucar a visão de quem está assistindo, e os filhos comem felizes, eu disse felizes, os seus waffles, não, não é assim, acontece desse jeito porque aquelas pessoas se conheceram a meia hora atrás para gravar o comercial, se elas tivessem convivido mais tempo, o jornal não estaria na mesa, estaria enrolado na porta da casa, e o macho alfa estaria reclamando para sua esposa sem maquiagem, com um coque ridículo na cabeça, de quem o fez no escuro, com suas olheiras enormes de ter dormido pouco, pois uma das crianças passou a noite inteira com febre, e agora come um picolé, porque recusa a comer qualquer outra coisa, não aceita nem os waffles, Bauducco claro, pois aquela super mãe não tem como acordar as 4 da manhã para começar a fazer a massa dos waffles. 
Todo esse exemplo exagerado, ou não, é para dizer que convivência demais enche o saco, incomoda e tira as pessoas do sério as vezes, por isso o segredo é não conviver demais, o segredo é dar uma boa sumida de vez em quando, é você visitar outra pessoa, dormir em outra casa, para no final você sentir falta da sua, sentir falta de quem o incomodava. Uma cama arrumada de quem não dormiu em casa, um celular desligado, uma saudade, são ótimas armas em um convívio quase "perfeito".

1 de dez de 2013

Fizemos uma Festa


Estou exausto. O tipo de exaustão que vale a pena, pois cantei e dancei a noite inteira em comemoração ao meu aniversário. Ontem finalmente chegou, e se eu pudesse definir, diria que vivi um sonho, mas, muito melhor, pois era um sonho se realizando. O salão de festas estava lá, todo colorido, fui exigente ao escolher cada cor viva que eu iria colocar espalhado por todo aquele salão, tinha tecidos multi coloridos nas paredes, amarelo, laranja, roxo, verde, rosa forte, rosa fraco, muitas cores, todas intercaladas, havia também muitos cataventos, todos muito coloridos, as cores mais bonitas que eu achei, o tipo de cor que você perde alguns minutos apreciando, o chão estava repleto de confetes coloridos, muito coloridos mesmo, consegui cobrir todo o chão com eles, fora os clássicos balões, que ocupavam o chão e as paredes, também em muitas e variadas cores, nas mesas tinham todo tipo de doce, balas, pirulitos, merenque, maria- mole, docinho de coco, de nozes, brigadeiro, do branco e do preto, fora o bolo grande azul e branco e com muitas estrelinhas em cima, que a minha madrinha preparou com todo amor, aliás, minhas outras duas madrinhas prepararam os doces, que estavam deliciosos, tinha também o cachorro-quente, os salgados, tudo feito por pessoas que amo muito, e que surpreenderam o paladar dos meus convidados. Eu cuidei das músicas, de cada uma, todos os tipos de música para animar os jovens e os mais velhos, e o mais bonito foi ver todos juntos na pista iluminada dançando feito crianças, independente de idade, de orientação sexual, ou de qualquer outra coisa, as pessoas ontem estavam unidas, e principalmente felizes. 

Quanto a mim? bom, eu estava completamente feliz, mais do que isso, eu estava realizado, estava e ainda estou emocionado. Sempre fui uma criança e sou um jovem que recebeu muito carinho das pessoas que me cercam, que fazem parte da minha vida, carinho e ombros realmente nunca me faltaram, mas, só ontem eu tive a exata dimensão de tudo isso, percebi todo o amor, o carinho, o afeto que todas aquelas pessoas tem por mim, enxerguei nos olhos dos meus irmãos, dos meus familiares e dos meus amigos aquela felicidade de missão cumprida, aquele olhar de "você merece, cara". Foi isso que eu senti ontem, a sensação de merecimento e gratidão, vi mais de 50 pessoas sorrindo e brincando pela minha causa, por quem eu sou, pelo que eu represento para todos eles. E, essa sensação, essa visão é impagável, não trocaria por nada, nunca me senti tão amado em toda a minha a vida. 
Ontem claro que não poderia faltar um discurso, antes dos parabéns, quase nem gosto de falar, então não podia perder aquela oportunidade, vocês que estiveram comigo sabem o que eu falei, mas eu repito aqui algumas coisas que acho importante, que é basicamente agradecer, agradecer a você Mônica, não só pelos cachorrinhos, mas por tudo que você veio fazendo ao longo desses 5 meses, a toda ajuda que você disponibilizou para mim e para a mãe, por me buscar todas as tardes na saída da minha quimioterapia, por dar ouvidos e ombros a minha Mãe, sempre que ela precisou, por esse amor de "graça" que você tem pela gente, nunca esquecerei, e ao dindo Li que foi um super Padrinho. Obrigado, Shirley e Igor, em primeiro lugar por terem me dado a confiança de batizar o filho de vocês, a confiança gigante de permitir que eu seja Dindo de uma criança tão especial quanto o João, que teve a sensibilidade de um adulto com a minha doença, entendendo de alguma forma que o dindo estava passando por um momento delicado, e por um dia ele ter entrado aqui em casa com uma maletinha de médico, somente para cuidar do dindo, e depois, agradeço também por vocês terem se colocado a nossa disposição, absolutamente para tudo, vocês foram demais, e eu amo ter vocês na minha vida. Agradeço a você, meu irmão, Ed, por ter conseguido se tornar mais preocupado e protetor do que sempre foi, obrigado pelas ligações quase diárias, obrigado pelo abraço e por me dizer que era só uma fase quando eu descobri que precisaria da quimioterapia, obrigado por ser tão irmão, eu tenho um orgulho enorme de você e um amor que vai durar por várias vidas, muito obrigado. Sabrine, vou ser teu eterno caçula, né? já conversamos mil vezes sobre isso, mas o que a gente tem um pelo outro é coisa de vidas passadas. Mana, obrigado por esse amor, obrigado por ter tentado, sem muito "sucesso" hahaha, bancar a forte para a mim, mesmo você chorando escondida todas as noites no inicio dessa história toda, eu te conheço bem, e sei que tu ficaria muito fragilizada com tudo que aconteceu, mas, o que eu queria de você era exatamente o que tu conseguiu me dar, muito amor, conforto e segurança, tu não pode imaginar quantas vezes pensei em você enquanto segurava meu rosário nas mãos e pedia para o enjoo passar, obrigado, eu te amo e amo a família que tu formou. Aos meus outros três irmãos, Karine, Anderson e Andressa, eu também tenho que agradecer, Karine, tu fez eu rir o tempo todo, quando me encontrava o assunto não era a doença, eram nossas histórias, nossos casos de vida, e isso me divertia muito e fazia eu esquecer qualquer problema. Ao meu irmão mais velho, Anderson, que tem aquela cara de forte, mas, por dentro é tao sensível quanto eu, a você Mano, já te disse que uma conversa fez a gente se aproximar de verdade, e fez eu te admirar, sou muito feliz por ter um irmão mais velho, com um baita coração, um cara que já passou por tanta coisa mas não esconde as suas lágrimas quando elas descem, obrigado pelo apoio, e por demonstrar o teu amor, amo você, o João, e a tua Esposa, a Cauca é um presente pra mim. E, você mana, Andressa, tenho que agradecer o teu carinho, e a ligação que a gente em algum momento reforçou, eu te amo muito, mana, e amo mais ainda por você ter a coragem de me dizer que não conseguiu lidar com tudo isso, eu sei o quanto era pesado, e ter você bem, me dando amor já bastava. 
Agradeço de coração as minhas meninas, as melhores amigas que alguém pode ter, Michelly, Priscylla, Louise, Vitória que acompanharam tão de perto todo esse tratamento, sempre torcendo e me entendendo, a vocês que me viam com tanta naturalidade, mesmo eu careca, sem sobrancelhas e dez quilos mais gordo, obrigado pelas risadas e pelo apoio, só a gente sabe o quanto somos especiais e importantes um pro outro.
As minhas dindas, Mara, Regina, Maria Laura, que fizeram seus papeis de segunda mãe, e rezaram, e torceram muito por mim, sou eternamento grato, e feliz por ter vocês como Madrinhas.
A minha vó Alzira, que apesar dos seus 86 anos soube lidar muito bem com essa doença, ver um dos seus netos passar por isso não deve ser fácil, ainda mais quando vó e neto são tão apegados, como nós somos, ontem te ter na minha festa, sentadinha, me vendo dançar e comemorar foi incrível, não teve como segurar a emoção, sentei no teu colo e chorei muito, mas, eu juro vô que chorei somente de felicidade, eu te amo muito, minha velha louca. Quanto a minha Mãe Carmem, não preciso dizer mais nada, disse em dois textos aqui do Blog, e ontem a noite no meu discurso, eu te amo, isso basta.
Bom, são muitas as pessoas para agradecer, aos meus amigos, as pessoas aqui do Blog, aos conhecidos que se sensibilizaram com a minha história, a todos que sabem que fizeram parte de tudo isso, e principalmente a vocês que estavam junto comigo ontem a noite, fazendo daquela festa uma grande FESTA!
Muito, muito obrigado. E, que a vida seja tão linda quanto ontem.