f Adeus, verde.: Meus Cúmplices

27 de out de 2013

Meus Cúmplices


Hoje olhando algumas fotos, fotos que tirei com pessoas que amo muito, e que fazem ou fizeram parte da minha vida, eu na hora observei a cumplicidade que tinha ali, a cumplicidade que criei com alguns amigos, familiares, ou até mesmo com algumas paixões. Gosto muito de perceber o quanto tive relações saudáveis, e de verdade com várias pessoas, que entraram na minha vida, e por pura questão de química, de afeto, de falar a mesma língua, de alguma coisa bater, de identificação de espirito, elas resolveram ficar, e com o tempo, normalmente com um curto tempo, se estabelecia a cumplicidade nas minhas relações.
E, hoje percebo, mais do que nunca, o quanto isso é importante, e na verdade, o quanto é exatamente isso que vale a pena nos laços que fazemos, não existe vinculo sem uma cumplicidade, sem uma ligação sincera entre aquelas pessoas. A definição que mais gosto de cumplicidade, é a que diz que há conivência e entendimento, entre duas pessoas, conivência não costuma ser uma palavra bem vista, mas, gosto de pensar nela não como uma conivência cega, sem limites, mas como uma lealdade, ser conivente com aquela relação. Outra definição que acho bonita é a que diz que cumplicidade é apoiar o outro em suas decisões, sem tentar interferir em suas idéias, ou crenças, aceitar o limite do outro. E, foi exatamente essa definição que regeu, que deu movimento as minhas amizades, que ajudou a criar um amor incondicional por algumas pessoas, a ponto de conseguir enxergar isso nas fotos, no olhar daqueles dois.

Cumplicidade está no olhar, está nessa ideia de conseguir aceitar o outro, sou absolutamente apaixonado pelas pessoas, e por tudo que elas trazem, minhas melhores amigas e meus mais enlouquecidos amores foram pessoas totalmente diferentes de mim, gente que eu nunca imaginaria ter algum tipo de ligação, mas, que através de uma conversa, onde nos permitimos ouvir o outro, se fez uma ligação, aconteceu algum entendimento maior, ouve a cumplicidade, aquela coisa sincera que se estabelece entre algumas pessoas, e que transmite confiança, transmite certeza, gosto de ver isso acontecendo, observar essa linha se construindo, essa linha que é feita com uma conversa boa, palavras que surgem, que contam histórias, que dividem momentos, que trocam informação, que trocam afeto, que trocam carinho, é a partir daí que nasce a cumplicidade, é a partir daí que nasce tudo. É fácil levar uma relação com cumplicidade, porque sendo cúmplice você pode ser você mesmo, pode ser exatamente como você é, sem máscaras, sem ter que escolher palavras, armar situações, basta você tomar um banho e encontrar a pessoa, juntos vocês se bastam, a conversa flui, e não existe tempo ruim. Aprendi a valorizar relações assim, passei daquela fase que relação boa, é relação complicada, sabe? Hoje, o que mais quero é descomplicar tudo, gosto de gente fácil, simples, porque assim as coisas ficam fáceis, ficam simples, não ter dor de cabeça, preocupação, sério, a vida é muito maior que isso, aliás, a vida é imensa, então eu quero relações imensas, grandes, vivas, e leves. Quero cúmplices, quero entender alguém sem interferir em suas decisões, quero alguém para respeitar minhas crenças, só quero gente em que o olhar seja sincero, só quero gente que eu consiga enxergar a cumplicidade até mesmo por foto. 

9 comentários:

  1. A vida é boa, as pessoas é que ferram com ela e amigos, cúmplices, parceiros, são tudo de bom. Bj

    ResponderExcluir
  2. Incrivel esse texto!!! Curti demais...

    ResponderExcluir
  3. Felipe, que bom resgatar essas energias, reviver a cumplicidade dos amores e das relações! Acredito que um dos princípios básicos para que a cumplicidade floresça é o respeito a individualidade. Cada pessoa precisa ter a sua essência preservada para que possa fazer trocas com o outro. Não acredito em relações invasivas. Certa vez ouvi um terapeuta falando num programa de TV, que nas relações profissionais, é comum haver identificação entre pessoas que tem temperamentos distintos, porque, como uma equipe, essas pessoas são complementares e isso faz o trabalho funcionar direitinho. Já nas relações afetivas, a história é um pouquinho diferente. Nesse caso, as afinidades têm um peso maior e é aí onde observamos a tal cumplicidade... Fantástica reflexão, meu querido! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Meu amor!!!Texto mais que perfeito.Colocastes aqui,a nossa realidade!!!Adorei,me faltam palavras pra expressar o quanto amei esse texto,mas,como sempre as palavras que nos faltam,tu as coloca aqui!!!!Obrigada,te amo!!!!Bjs...Lalinha!

    ResponderExcluir
  5. Olá Felipe, cada vez mais vc nos surpreendendo com seus textos. Como eh lindo ve lo se expressando com tamanho desenvoltura. Bom tbm eh receber noticias suas viu. Bjs Ro/SP

    ResponderExcluir
  6. Olá Rafael, coisa boa ter pelo menos um cúmplice . O bom da vida é ser você mesmo, em qualquer situação. É bom ter você de volta.

    ResponderExcluir
  7. "Sendo cúmplice você pode ser você mesmo, pode ser exatamente como você é, sem máscaras, sem ter que escolher palavras, armar situações". entendo bem o que é isso Felipe, quando estou perto dos meus cúmplices, meus melhores amigos por exemplo, não preciso nem completar a frase que eles já entendem! Tem pessoas que são muito passionais, agente não pode falar nada que já pensam besteira! e isso é desconfortável! Você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  8. Eu amei esse texto, cara vc eh fera!

    ResponderExcluir